Existe toda uma cultura em desenvolvimento de sites e aplicativos que coloca banners rotativos, sliders e carrosséis em um patamar de ~obrigatório~. Tenho certeza que todos os dias você tem contato com dezenas (talvez centenas) de sliders automáticos ou ofertas rotativas em sites, lojas online – ou até mesmo em seus próprios produtos.

Precisamos colocar um ponto final nisso e assumir a verdade que nenhum de nós gostaria de aceitar: As pessoas não se interessam pelo conteúdo do seu banner rotativo.

Mas.. Se eles não são eficientes e se isso é tão óbvio, porque as pessoas continuam usando?

  • Hipótese 1: Pessoas estão acostumadas com sliders e tudo bem, não deve ter uma diferença tão grande nas conversões.
  • Hipótese 2: Diferentes departamentos de uma empresa querem ter sua mensagem sendo veiculada na página inicial. Então deixamos uma imagem rotativa para todo mundo ter o seu espaço.
  • Hipótese 3: Designers e gerentes ainda acham legal, cool e bacaninha.

Para testar e validar essas hipóteses fomos atrás do que pensam alguns dos profissionais que mais respeitamos na área de produto, na área acadêmica e também atrás de resultados de testes práticos com sliders automáticos e banners rotativos. E veja você: os resultados não nos surpreenderam.

Veja o que alguns artigos especializados dizem

“Nós testamos ofertas rotativas muitas vezes e descobrimos que é, de fato uma maneira pobre de se apresentar conteúdo em uma página inicial. (..) Infelizmente, [banners rotativos] estão remetendo frequentemente a problemas relacionados a relevância, clareza e distração [do usuário]”
(fonte: Rotating offers: The scourge of home page design, por 

“Banners rotativos são absolutamente maus e deveriam ser removidos imediamente. (..) Existem grandes chances de algum dia seu CEO, gerente de produto ou outra pessoa de influência na sua empresa pedir para colocar um banner rotativo e o seu trabalho é apenas dizer “Não”.
(fonte: Rotating banners. Just say No!, por Tim Ash

O Nilsen/Norman Group, os gurus da usabilidade, confirmam em testes de uso que pessoas tem cegueira tanto para banners quanto conteúdo que está dentro de sliders rotativos. A conversão é mínima e os carrosséis são frequentemente ignorados pelos usuários.
(fonte: Auto-Forwarding Carousels and Accordions Annoy Users and Reduce Visibility)

Além disso..

Ainda existe uma grande discussão no UX Stack Exchange sobre a efetividade dos carrosséis com diversos profissionais da área e você pode perceber que é quase unânime que os sliders não tem o impacto que os gerentes acham que tem.

Ainda existe este post no blog da VWO que passa boas práticas caso você não tenha outra alternativa.

E pra fechar, este excelente post nem tão recente assim do Erik Runyon reunindo algumas estatísticas importantes para justificar o não-uso de banners automáticos com um montão de outras referências para você usar para argumentar com seus colegas de trabalho (caso seja esse o seu caso).

De todos esses testes os melhores insights que conseguimos levantar foram:

1. Muitas mensagens as vezes quer dizer nenhuma mensagem.

Focar em uma única mensagem ou uma única ação geralmente é bem mais efetivo. O tempo de início da transição um slider é calculado geralmente a partir do carregamento de uma página e quando ele passa automaticamente para o segundo slider, talvez seja o exato momento em que o usuário começou a ler.

2. Sim, nossos olhos reagem a movimentos, mas isso não é suficiente

Olhando pelo lado fisiológico, sabemos que movimentos atraem nossa atenção, mas isso também faz com que a gente se distraia de qualquer outra coisa que estivéssemos fazendo. Isso confunde e distrai usuários.

3. Mais imagens deixam as páginas mais pesadas.

Performance afeta diretamente a experiência das pessoas utilizando sites e produtos. Banners hoje tomam telas inteiras e vão demandar banda e tempo de carregamento. Mais banners, mais tempo de carregamento, mais obstáculos de usabilidade.

4. Carência de responsabilidade editorial

Algumas vezes o conteúdo não segue nem mesmo um storytelling, ou seja, banners aleatórios ficam passando com conteúdo que não conversa entre si. Isso mostra que não existe uma responsabilidade editorial na construção do conteúdo e isso deixa o usuário disperso e sem um fluxo de navegação/modelo mental definido sobre o que fazer e para onde ir.

5. Perda de tempo.

Você, no fundo, também sabe que esperar o próximo banner aparecer é uma perda de tempo, né?

E pra finalizar, algumas pesquisas dizem que mesmo que você tenha que usar um banner rotativo, pelo menos evite que tenha mais de 3 sliders.

Veja, por exemplo, as estatísticas de clicks nos banners das posições 2, 3, 4 e 5 de um slider da universidade de Notre Dame (nd.edu). Apenas 1% se interessa em clicar no conteúdo dos sliders rotativos.

Depois de tudo isso, chegamos a uma ideia de que tentar trabalhar mais nas etapas de conteúdo estratégico e arquitetura da informação é a melhor forma de fazer a mensagem e a proposta de valor do projeto ficarem de acordo com as necessidades do produto. E pense duas vezes antes de considerar a utilização de um banner rotativo na página inicial do seu site.