Guia para arquitetura de APP Mobile

Fatores importantes, layers e porque você deveria estar usando o REST API.

Antes de tudo, o que é um APP mobile?

O APP nada mais é do que o conhecido aplicativo ou programa de software. Os APPs Mobile são aplicativos desenvolvidos para serem usados nos mais diversos tipos de smartphones.

Agora, quando entramos no assunto montar um app mobile, vem sempre a dúvida: qual é a melhor arquitetura para escolher? Esse é um dos pontos mais importantes quando estamos desenvolvendo aplicativos, influenciando em todo o fluxo de criação e nos processos do desenvolvimento, assim como na facilidade que o time terá na hora de fazer modificações na ferramenta.

Quando falamos em uma boa arquitetura estamos falando, principalmente, de:

  • Facilidade na hora do uso;
  • Responsabilidades e papéis bens distribuídos;
  • Possibilidade para testes.

Com isso, entramos nos principais passos a serem definidos na hora de montar essa arquitetura. Vamos agora explorar cada um desses passos.

Dispositivo

Existem vários tipos de smartphones e é muito importante que, quando estamos criando a arquitetura de um mobile app, seja avaliado o tipo de dispositivo e suas características antes de
selecionar uma específica. Determinando o tipo de dispositivo para o seu desenvolvimento de APP mobile, você tem que ter em mente os seguintes pontos:

  • Resolução da tela;
  • Tamanho da tela;
  • Especificidades da CPU;
  • Memória;
  • Viabilização do framework desenvolvido.

Banda

Considerar a capacidade da banda larga disponível é o segundo passo para você entender a forma como deve montar a arquitetura do seu mobile app, é muito importante ter em mente os cenários de rede da Internet das áreas em que seu público-alvo vive ou trabalha. Isso ocorre porque a flutuação da velocidade da Internet pode afetar negativamente a experiência do usuário. Seus clientes podem não estar conectados à Internet o tempo todo.

Ao escolher protocolos de software e hardware para seu mobile app, você precisa levar em consideração o consumo de energia e a velocidade, também projetando seu mecanismo de cache,
mecanismo de acesso a dados e gerenciamento de estado para que possa se ajustar à conexão lenta e intermitente à Internet.

Interface do usuário

Quando o assunto é criar um design de interface de usuário de aplicativo mobile, é sempre legal apostar na sua criatividade e nas referências mais bacanas da sua equipe!

No entanto, lembre-se de manter a interface sempre o mais simples possível, para que os usuários possam interagir intuitivamente com a mesma. Além disso, é recomendável evitar uma interface desestruturada, na qual seu aplicativo tenha mais chances de falhar, o que significa que testes de usabilidade serão necessários durante todo esse processo.

Métodos de Navegação

A navegação de um aplicativo é um dos seus aspectos mais importantes, tanto de front-end, quanto de back-end. Quando selecionamos um método de navegação, é necessário lembrar as preferências de seus clientes e também os requisitos de seu aplicativo. Isso é fundamental, porque terá um efeito tremendo na experiência do usuário. Entre os diferentes métodos de navegação, você deve analisar e selecionar o seu melhor ajuste; alguns dos mais populares são os seguintes:

  • Barra de navegação empilhada
  • Controlador de guias
  • Controlador modal
  • Visualização única
  •  Navegação baseada em gestos
  • Visualizações de rolagem
  •  Navegação orientada por pesquisa

Agora que já temos todos os básicos em mente, como garantimos que o nosso mobile app tenha os requisitos necessários para os usuários? O ideal é seguir determinadas diretrizes, criando um aplicativo para que ele funcione com eficiência em diferentes cenários. Para isso, definimos três camadas: Presentation, Business e Data.

Camada de Presentation, ou Presentation Layer

O foco principal desta camada é como o aplicativo vai ser apresentado ao usuário final. Quando se projeta essa camada, como desenvolvedor de aplicativos, é necessário determinar o tipo de usuário compatível com a infraestrutura. As restrições de implantação do usuário também precisam ser levadas em conta.

O outro pré-requisito para projetar essa camada é escolher o formato de dados correto e complementar com uma boa técnica de validação de dados para que o aplicativo possa ser protegido contra entrada de dados inválida.

Camada de Business, ou Business Layer

Log, armazenamento em cache, validação, segurança e gerenciamento de exceções são os aspectos relacionados à camada de Business.

Quando construindo esta camada, o recomendado é separar as tarefas em categorias para reduzir a complexidade. O uso de uma camada de Business separada, sempre que permitido, é a abordagem ideal para que ela seja bem projetada. Para diferentes funcionalidades, como regras de Business complexas, aplicação de políticas, transformação e validação de dados, você deve sempre identificar a camada de Business.

A Camada de Data, ou Data Layer

Essa camada atende aos requisitos do aplicativo e facilita transações seguras de dados. Portanto, ela deve ser projetada para que possa ser expandida no futuro, à medida que os requisitos de
negócios mudam. O ponto mais crucial é escolher a tecnologia de acesso a dados certa, para que uma camada segura e altamente funcional possa ser formada.

Você também pode usar identidades baseadas em tabela para renderizar uma estrutura de design simplificada e, assim, armazenar dados e permitir a movimentação de dados pelas camadas de limite.

Todas as funcionalidades de acesso a dados são encapsuladas dentro dessa camada e gerencia todas as conexões de dados necessárias ao aplicativo móvel. Além disso, ele lida com todas as
operações e fontes de dados CRUD (Criar, Ler, Atualizar e Excluir).

Usando o REST para a arquitetura do seu mobile app

O REST é de longe o estilo mais usado para o design de APIs, especialmente no mundo móvel. A Representational State Transfer (REST) ​​é leve, baseada em HTTP e é executada em servidores da Web, da mesma forma que os sites "normais". Em vez de entregar em HTML, que é uma combinação de apresentação e dados, os dados são exibidos com formatação mínima usando separadores e delimitadores (como JSON). Pode ser considerado como um estilo arquitetônico para projetar aplicativos em rede ou como uma maneira de fornecer serviços da Web.

O REST é navegável, portanto, ajuda os desenvolvedores a modificar e verificar a correção de seu código, pois apenas os dados são exibidos no navegador. É um método mais seguro de fornecer serviços ou acesso a dados, pois não expõe muita área desnecessária da base de dados usada pelo site. E além de tudo, ele é independente de plataforma e idioma, podendo escrever uma API REST com quaisquer idiomas que normalmente estão associados à criação de sites, como PHP, Python ou Ruby.

Existem quatro métodos comumente definidos usados ​​na arquitetura REST. São eles os métodos de criação, leitura, atualização e exclusão (CRUD).

Também é possível adicionar métodos mais especializados, como recuperar os dez itens mais populares ou a pontuação máxima de todos os usuários. Isso pode ser conseguido escrevendo um novo método ou usando um parâmetro de consulta.

Agora você já deve ter entendido o quanto a arquitetura de aplicativos móveis é crítica para um desenvolvimento de aplicativos bem-sucedido e rentável. Além de tornar seu aplicativo
seguro, ele também pode ser dimensionado com o crescimento dos negócios.

Precisa de ajuda para projetar sua arquitetura de aplicativo móvel? Mande uma mensagem para nosso time de especialistas🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar ×
Precisa de ajuda com seu site, sistema ou aplicativo?
Nós ajudamos negócios de todos os tamanhos com design, tecnologia e estratégia digital
Conheça melhor a Homem Máquina