Como usar métricas em projetos de UX Design

Saber qual conteúdo os clientes estão acessando em seu site já foi um dos maiores desafios das empresas no cenário digital. Essa realidade mudou quando o controle do comportamento das pessoas na rede tornou-se não só possível, como indispensável para quem quer atingir êxito nas vendas e demais conversões.

Quando sabemos o que o cliente quer comprar e com qual frequência ele realiza buscas por produtos, e através do levantamento de métricas para controlar as preferências do grupo consumidor, conseguimos aumentar as chances de um projeto de UX Design ser bem sucedido.

Por volta dos anos 2000 – e até uma década depois – as pessoas compravam menos online. E a compra era muito mais movida por curiosidade, passando longe das encomendas triviais que fazemos hoje (compras de comida pronta, itens do mercado, higiene e beleza, por exemplo). Nesse período era complicado prever o que faria sucesso, porque a percepção de mecanismos que hoje nos ajudam a saber detalhes do acesso a uma página eram primitivos e nebulosos.

Atualmente, a realidade é bem mais detalhada para quem precisa medir o comportamento dos usuários de um site. O Google Analytics, por exemplo, fornece em tempo real uma série de informações técnicas sobre o comportamento do consumidor. Devemos lembrar também que o computador não é mais uma máquina parada no quarto de alguém: os smartphones são minicomputadores na palma da mão do consumidor, pipocando informações e produtos a cada momento.

Mensurando o UX de um site

Photo by Myriam Jessier on Unsplash

Ter acesso a determinadas métricas para refletir sobre o comportamento do cliente em busca de melhorar o produto e lucrar mais com as vendas é parte fundamental do processo, mas, como um livro escrito em outra língua, o analista precisa ter habilidades e experiência para saber traduzir e interpretar as métricas disponíveis. Nem todo dado importa; a filtragem do que vale a pena ser observado diferencia uma boa análise e proporciona resultados excelentes.

No mundo dos negócios, seja ele virtual ou físico, é preciso conhecer muito bem seu produto e seus clientes. Mas não podemos esquecer de um fator indispensável para fazer sucesso: o contexto. Vamos a um exemplo. Quanto mais tempo uma pessoa passa com uma página aberta, maior é o indicativo que ela esteja gostando do conteúdo, certo? Nem sempre! Dependendo do contexto, essa métrica pode mostrar que o conteúdo da página não está claro, e o leitor passa mais tempo na página tentando compreender as informações ali passadas.

Há diversos modelos de métricas para saber como mensurar o UX de um site, o comportamento dos usuários e a projeção de sucesso. Dentre eles, um está se destacando muito no mercado: o Key Performance Indicator, KPI de design, ou, Indicador-Chave de Desempenho.

Os KPIs tornaram-se ferramentas essenciais para refletir sobre sua plataforma digital, levando em consideração itens como acessibilidade, facilidade de utilização, eficiência das tarefas oferecidas e satisfação do cliente. Por meio da análise das métricas de design oferecidas pelos KPIs, identificamos questões que precisam melhorar no contexto comercial para gerar mais vendas e maior satisfação do consumidor.

Alguns fatores são essenciais para medir a eficiência de um design, vamos destacar alguns abaixo.

1.Usabilidade

As métricas de usabilidade de um serviço devem apresentar dados que esclarecem o quão acessível é o design do site, a ponto de fazer com que a pessoa realize a conversão de forma simples e rápida. Muito além de medir o tempo em que cada um gasta para realizar determinada tarefa, as métricas para teste de usabilidade devem focar também na facilidade para reconhecer ícones, na clareza do menu e até mesmo no botão “voltar” – forte indicativo de confusão no entendimento de quem está acessando a página.

2. Engajamento

Talvez o processo que consuma mais tempo, pois é necessário levar em conta uma série de fatores para entender o que faz com que alguém passe um período de tempo em determinada página, compre o produto, fique feliz com a compra a ponto de indicar a marca ou até mesmo fazer um post em sua própria rede social para falar sobre a aquisição.

O engajamento começa desde o momento em que definimos o design do site até o desenvolvimento de hashtags para o consumidor utilizá-las como garoto-propaganda em seu próprio nicho (amigos, família, colegas de trabalho etc).

3. Conversão

Tenho um site que todo mundo adora entrar, paquerar o conteúdo, mas, por algum motivo, não há a finalização da compra. Este mistério chamado “por algum motivo” deve ser desvendado por meio da análise dos KPIs. O que faz a pessoa interessada se tornar uma cliente é a chave para o sucesso de qualquer venda.

4. Taxa de sucesso da tarefa

Para sabermos se uma tarefa foi realizada com sucesso, devemos ter de forma bem esclarecida qual é a tarefa para nosso público final, um caminho intuitivo para que a grande maioria consiga realizá-la e, por fim, entender como esta tarefa poderia atingir o sucesso com mais pessoas, para fazermos as devidas correções de forma rápida e eficaz.

5. Tempo de realização de uma tarefa

Vivemos em um mundo no qual o tempo talvez tenha se tornado o principal inimigo das pessoas, “estou sem tempo”, “preciso de mais tempo”, são reclamações comuns de quem tem que lidar com o acúmulo de funções da Era da Globalização. Por conta disso, quanto menos tempo levar uma tarefa no site, quanto mais ágil o design, maiores são as chances de agradar o consumidor com sua experiência de compra.

6. Uso da busca e da Navegação

Como o usuário procura por um produto no site está diretamente relacionado à eficiência da organização do design para separar produtos por categorias. Se o cliente recorre sempre ao uso de busca para um produto específico, pode ser um forte indicativo que a navegação não está organizada de forma simples e com fácil acessibilidade. Menus confusos podem ser o motivo para um consumidor fechar a janela e procurar outra empresa para atender suas demandas.

Conclusão

Para alcançar o sucesso de vendas e entender se o design do seu site realmente funciona, reflita sobre os dados que as métricas apresentam, para realizar a filtragem do que é relevante ou não a depender do seu produto, nicho de clientes e metas a serem cumpridas. Entre em contato com a Homem Máquina para entender mais sobre como crescer no digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar ×
Precisa de ajuda com seu site, sistema ou aplicativo?
Nós ajudamos negócios de todos os tamanhos com design, tecnologia e estratégia digital
Conheça melhor a Homem Máquina