Conheça algumas tendências de UX para o futuro

Em qualquer setor de negócios, é importante conhecer e saber das tendências que podem deixar sua empresa na frente das outras. Uma das áreas que tem feito diferença em encontrar novidades é o User Experience (UX), que deriva de outras áreas como o design, marketing e estudos sociais.

O UX auxilia diversos times de desenvolvimento e produto a entender melhor o perfil de seus usuários, possibilitando traçar padrões e identificar dores que podem ser sanadas através de melhorias nos serviços e nas interfaces do software.

Em um cenário pós pandemia, a digitalização será cada vez mais realidade, e os negócios que não estiverem inseridos no e-commerce, perderão um grande potencial de captação e fidelização de clientes.

Por isso, o User Experience Research ganhou grande notoriedade, pesquisando características que criam memórias afetivas, engajamento e fidelização de usuários através, principalmente, da estética e de uma jornada de uso fluida dentro de uma interface.

Além disso, a tecnologia tem ajudado a identificar e recolher mais dados relevantes nessas pesquisas e, assim, ferramentas como a inteligência artificial e machine learning têm sido usadas para potencializar o valor gerado para os usuários.

As inovações em UX que se tornam tendências

Através de pesquisas com os clientes, recolhimento de dados gerados através da interação de usuários com as interfaces e softwares, e retorno sobre problemas e dificuldades de uso, o design tem cada vez mais informações sobre características relevantes dentro de softwares e páginas da web.

Com isso, as adaptações de tipografia, ferramentas, cores, estilos e outros elementos que compõem um sistema têm sido cada vez mais frequentes. A cada dois anos é possível perceber a mudança de estilo das empresas quanto ao visual, marketing e abordagem com seus usuários.

Além de gerar uma conexão afetiva, essas tendências encontradas pelo User Experience Research, inteligência artificial e machine learning têm gerado experiências de valor para os usuários, principalmente com produtos, serviços, ferramentas e design mais funcionais.

Além disso, especialistas e estudiosos na área de design gostam de fazer previsões sobre quais serão as próximas tendências, algo que vemos, por exemplo, nas cores do ano da Pantone.

Abaixo você confere 5 tendências que são discutidas na área do design que podem fazer a diferença na interface de um sistema ou de uma página web

Vintage encontra o futurismo

Muitas pessoas no passado imaginavam um futuro tecnológico, como visto em desenhos como Os Jetsons. Porém, o que não imaginavam é que na atualidade, a junção entre passado e futuro geraria uma tendência de estilo.

Muitos dizem que o velho pode ser novo, que algumas características se repetem e são trazidas com uma nova leitura. Isso é verdade, pois a nostalgia nos faz repetir características que apreciamos em experiências passadas em novas.

Encontrar formas de conectar o passado com o futuro é uma boa maneira de gerar conforto, curiosidade e interesse ao mesmo tempo. Afinal, quem não se pergunta como será o futuro? E brincar com isso é sempre excitante e atrai pessoas.

Fontes vibrantes

Tipografia sempre foi uma área de estudo e prática artística que tem impacto desde o surgimento da escrita e da imprensa. Cada meio de comunicação e época tem um registro tipográfico específico, assim como as diferentes culturas.

Com a chegada da tecnologia, os designers e ilustradores têm cada vez mais possibilidade de criar fontes diferentes, amigáveis e atrativas. Assim, dentro do mundo tecnológico, onde se disputa a atenção do usuário em meio a tantas informações, as fontes vibrantes têm ganhado cada vez mais presença.

Elas são utilizadas para, primeiramente, captar a atenção das pessoas, através da quebra de padrão de leitura. Em um segundo momento, ela é importante para criar a curiosidade no usuário junto com uma boa estrutura de escrita.

Assim, cada vez mais letras garrafais com fontes atípicas são utilizadas como uma forma de gerar uma estranheza no leitor, mas não no sentido negativo, mas sim de quebrar expectativas, a monotonia e gerar engajamento.

Anti-design

O design, como a maioria dos estudos e ciências que vão ganhando notoriedade, acabam por criar regras de boas práticas. Nos últimos anos, muitas pessoas se encontram imersas em interfaces, propagandas e conteúdos repetitivos, com mesma identidade, tipografia, elementos gráficos, etc.

Com isso, uma das tendências que tem gerado grande participação dos usuários é o anti-design. A quebra de estética e monotonia chama a atenção, ao mesmo tempo que cria uma identidade própria para quem traz essa inovação.

Isso fica marcado na memória das pessoas, que sempre pensarão na sua marca e identidade ao pensarem em um mercado ou produto específico. Como dito no filme Para Sempre Alice “Regras existem para serem quebradas, caso contrário a vida seria muito chata.”

Estética dos anos 2000

O saudosismo e memória afetiva são ferramentas sempre cheias de potencial para gerar engajamento. Isso acontece pois cada geração tem a tendência de rememorar seu passado de forma saudável, feliz e amistosa.
Os anos 2000 provocaram uma revolução tecnológica em muitos espaços, principalmente com a chegada de telefones móveis, computadores pessoais, MP3s e outros dispositivos que não estavam inseridos no cotidiano das pessoas.
Por isso, a aparência “retrô”, ligada aos anos 2000, podem gerar essa conexão entre usuário e produto, mesmo que seja inconsciente. Essa conexão favorece também o produto e marca serem enxergados com bons olhos.

Cores sobrecarregadas

Uma das principais regras do design é pensar o espectro de cores e encaixá-las nas estruturas de equilíbrio. Porém, assim como o anti-design, essa tendência vem sendo reestruturada.

As cores vibrantes e sobrecarregadas além de chamar a atenção, geram sinestesias que levam as pessoas a outros lugares. Isso é muito visível, principalmente, em pôsteres e álbuns de bandas.

Lógico, sempre há um cuidado para não ser algo exagerado e desconfortável aos olhos, mas com a ajuda de padrões geométricos, gradientes e simbolismos, essa tendência pode ser muito bem utilizada.

Como identificar novas tendências usando o UX research

Com a ajuda de ferramentas e pesquisas de público, as empresas podem identificar os padrões e gostos de usuários de diferentes grupos sociais, econômicos e geográficos. Isso pode gerar novos protótipos de interfaces e estratégias de publicidade.
Além disso, a tecnologia de inteligência artificial e machine learning podem identificar em dados e padrões novas possibilidades que a mente humana não enxerga.

Um passo muito importante antes de tentar aderir a uma nova tendência identificada, é a prototipação e testagem com grupos selecionados. Essa prática tem sido comum em times de produtos.

Por fim, o importante é estar atento aos comportamentos e informações recolhidas, além de não deixar de ter em mente que o foco é sempre o usuário e sua experiência ao utilizar o software, produto ou serviço.

Fechar ×
Precisa de ajuda com seu site, sistema ou aplicativo?
Nós ajudamos negócios de todos os tamanhos com design, tecnologia e estratégia digital
Conheça melhor a Homem Máquina