As melhores metodologias de design para dar o kick-off que a sua Startup precisa

Uma das formas que temos de melhorar a rotina de trabalho e os resultados dentro de uma empresa que ainda está se desenhando é através de metodologias de design que sejam compatíveis com a sua equipe e os objetivos da sua startup.

A questão é: como garantimos resultados e um desenvolvimento saudável dos projetos que propomos para nossas equipes? E como podemos trazer inovação para o dia a dia do trabalho, tendo um melhor desempenho e evolução da empresa com o passar de tempo? É exatamente isso que as metodologias que apresentaremos hoje trazem para as startups, sempre misturando correntes de pensamento, mecanismos e técnicas para chegarem a um novo ponto.

A partir da explicação dessas metodologias esperamos que você consiga escolher qual, ou quais, são as melhores para o seu negócio e equipe.

A startup enxuta

Também conhecida como Lean Startup, esse termo tem tomado conta da maioria das matérias e artigos sobre inovação no mercado. Menina dos olhos de quem está trabalhando com equipes multidisciplinares, essa metodologia resgata um modelo japonês da Manufatura Enxuta, desenvolvida pela Toyota, nos quais os processos a serem desenvolvidos são estudados para terem desperdícios eliminados de prontidão, mas também agregando técnicas de marketing, tecnologia e gestão de equipes.

Embora seja mais aplicada em empresas ligadas à tecnologia, principalmente no lançamento de novos produtos, a Lean Startup pode ser implementada em diversas áreas e até mesmo em empresas já consolidadas e de grande porte, uma vez que a sua premissa trabalha com períodos cíclicos de projetos que se desdobram em um investimento saudável de recursos materiais, financeiros e, principalmente, humanos.

Mas quais são as metodologias empregadas na Lean Startup?

Baseada em três fases cíclicas durante o projeto, Construir, Medir e Aprender, ela oferece uma solução ágil para o cliente, potencializando resultados e minimizando quaisquer desperdícios que possam ter ao longo de seu desenvolvimento, tendo o MVP, o Pivot e os métodos ágeis de interação com clientes como algumas das premissas que essa metodologia traz ao ser implementada em uma equipe.

O MVP, ou Produto Mínimo Viável.

Ele é o seu instrumento inicial de teste. Funciona como uma versão beta do seu produto, feita de forma rápida, econômica e para que seja entregue o quanto antes para clientes-testadores, para então captar feedbacks para melhorias. Fundamental para obter informações do mercado e validar suas premissas, essa é uma das etapas do “Construir” dentro das fases da Lean Startup.

O Pivot

Os fãs de futebol vão matar essa de letra! O termo é exatamente o que um pivô é dentro do jogo de futebol. Esse jogador para a bola, girando no eixo da mesma para encontrar uma nova oportunidade de ataque e marcar um gol para o time. Aqui, a técnica é similar: mantendo as bases da empresa, aquilo que já está consolidado, buscamos oportunidades de mercado que se encaixem no que pode ser oferecido. O ato de Pivotar um projeto é pausá-lo para manter o que já foi estabelecido e, então, identificar oportunidades de mercado, testando serviços, produtos e formatos.

Design Thinking e Desenvolvimento Ágil

Tão conhecidas quanto a Lean Startup, o Design Thinking é algo que já vemos sendo aplicado em empresas de todos os portes com sucesso. E essa abordagem comprova: é realmente boa para quem quer inovar nas metodologias de design com um processo mais fácil e simples de se aplicar.

Design Thinking nada mais é que um processo interativo com o objetivo de identificar, entender e redefinir problemas de usabilidade que nossos usuários possam enfrentar, trabalhando com um approach mais humanizado e inovador que se utiliza dos processos do design para trazer soluções para equipes de startups.

Enquanto o Design Thinking é encarado como uma solução de problemas de forma colaborativa, o Desenvolvimento Ágil é uma forma de se trabalhar baseada em desenvolvimento interativo e melhorias contínuas que acompanham as entregas, ele é o “pai” de metodologias como Scrum e XP, resultados do Manifesto Ágil, que prega valores como interatividade e colaboração entre desenvolvedores e usuários, assim como a contínua adaptabilidade da ferramenta.

Quais as diferenças entre Agile UX, Design Thinking e Lean Startup?

O Lean Startup é uma metodologia criada com um processo de início, meio e fim; o método Agile é um processo de trabalho: entende-se que ele pode ser aplicado sozinho ou dentro de uma metodologia. Já o Design Thinking não é considerado nem um método e nem um processo, é uma forma de abordarmos a solução de um problema.

Parece confuso, né? A tendência é que separemos os três em âmbitos diferentes, quando o melhor caminho é que nós usemos as três como ferramentas aliadas dentro do trabalho de uma Startup. Com o Design Thinking, idealizamos, emfatizamos e definimos. Com a Lean Startup, nós transformamos essas ideias em modelos de negócios. E com o Agile, nós propomos processos mais inteligentes e interativos, trabalhando com mais agilidade dentro dos nossos objetivos.

Ainda não tem certeza como aplicar as metodologias que a sua empresa precisa?

A Homem Máquina está aqui para isso. Nós montamos a quatro mãos uma nova maneira de trabalhar os seus objetivos de uma forma inteligente.

A nossa metodologia favorita atualmente? É a de Design Sprint, que você pode conferir tudo sobre clicando aqui.

E qualquer dúvida que ficar, nós vamos gostar muito de explicar mais para você. Entre em contato com nosso time de especialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Precisa de ajuda com seu site, sistema ou aplicativo?
Nós ajudamos negócios de todos os tamanhos com design, tecnologia e estratégia digital Conheça melhor a Homem Máquina