Design inclusivo: acessibilidade e usabilidade em produtos digitais

Você já parou para pensar sobre o termo design inclusivo? Quando ouvimos essas palavras, pensamos logo em pessoas com deficiências e limitações motoras; mas esse pensamento ainda não abrange a totalidade deste termo.

O design inclusivo, assim como a acessibilidade e usabilidade, são desenhados para beneficiar a todos os tipos de usuários. Dessa forma, a inclusão ocorre em várias esferas diferentes, como a social, racial, física e mental.

Interessante, não é? Continue lendo para entender melhor sobre o tema!

O que é design inclusivo?

Em suma, podemos dizer que o design inclusivo, também chamado de design acessível, busca diminuir barreiras para o consumo de conteúdo por parte do usuário. Assim, pessoas que normalmente não poderiam ter acesso ao seu material passam a consumi-lo.

Para ficar mais claro, vamos a um exemplo sobre acessibilidade e usabilidade em produtos digitais.

Em uma tarde qualquer, Maria, ao voltar de ônibus do trabalho, decide aproveitar o tempo para avançar em seu curso digital de Manicure. Porém, ao clicar no play do vídeo, percebe que esqueceu seus fones de ouvido em casa! Vasculhando o aplicativo com os olhos, rapidamente localiza o botão de subtítulos e consegue acompanhar o curso pelas legendas.

A usabilidade está presente na facilidade com que Maria localizou o botão de subtítulos, enquanto a acessibilidade diz respeito aos subtítulos em si.

Um dos benefícios que podemos perceber é que o conteúdo se torna mais acessível para todos. De fato, da mesma forma que nossa personagem pôde ver as aulas de seu curso sem fones de ouvido, uma pessoa com deficiência auditiva também pode fazê-lo.

Vamos agora estudar alguns dos princípios do design inclusivo.

Princípios do design inclusivo

Em resumo, são 6 princípios do design inclusivo, sendo eles:

    • Pontos de exclusão.
    • Desafios situacionais.
    • Dificuldades pessoais.
    • Variedade de envolvimento.
    • Experiência equivalente nas abordagens.
    • Inclusão do máximo de pessoas possível.

Vamos ver esses princípios com mais detalhes:

Pontos de exclusão e desafios situacionais

Para tornar um produto digital acessível e inclusivo, a busca por pontos de exclusão deve ser a meta da equipe. Se seu conteúdo não apresentar legendas, por exemplo, estará gerando um ponto de exclusão para uma parcela da sociedade.

Já sobre os desafios situacionais, vale retornar ao exemplo exposto acima, onde nossa personagem não conseguia consumir o conteúdo por não estar portando fones de ouvido. Dessa forma, mesmo não tendo problemas de audição, ela apresentou um desafio situacional que a impediu de assistir a vídeo aula.

Dificuldades pessoais e variedade de envolvimento

Cada indivíduo é um ser único e apresenta suas dificuldades e vantagens características. Sabendo disso, um bom design inclusivo deve compreender as dificuldades dos usuários e ajudá-los a superá-las da melhor forma possível.

Essa tarefa não é nada fácil, sendo necessário realizar vários testes no conteúdo ofertado. Uma ótima forma de fazer isso é ouvir o que os usuários têm a dizer e levar em consideração essas informações na hora do planejamento do produto digital.

Sobre a variedade de envolvimento, entende-se este princípio como as várias formas que um conteúdo está disponível para o usuário, ou seja, as várias opções para consumir o produto digital.

Conseguir uma tradução para seu conteúdo, assim como legendas em vários idiomas, são ótimos exemplos do que é variedade de envolvimento.

Experiência equivalente nas abordagens e inclusão do máximo de pessoas possível

Ter várias abordagens para facilitar o consumo de seu conteúdo é uma excelente ideia, mas deve ser realizada de forma correta. Em suma, não deve haver diferença para o usuário ao acompanhar o conteúdo pelas legendas, dublagem ou linguagem de sinais, pois ele precisa receber o mesmo material independente de sua escolha ou necessidade.

Por fim, o foco do design inclusivo é a inclusão do máximo de pessoas possível; em união com acessibilidade e usabilidade, é possível entregar o conteúdo independente das limitações do usuário, sejam eles deficientes ou não.

Conclusão

O design inclusivo diz respeito à facilidade com que o conteúdo é passado ao usuário. Essa facilidade de acesso é de extrema importância atualmente, sendo um dos requisitos para o bom ranqueamento de conteúdos na internet.

Por meio de técnicas de inclusão, é possível aumentar ainda mais a parcela do mercado que terá acesso ao seu conteúdo, permitindo maiores retornos para seu produto digital.

Um design que visa a experiência do usuário pode ser incrementado pelo uso dos subtítulos, por exemplo. No entanto, para algo mais elaborado, há a necessidade de estudos sobre a condição de seu público, assim como suas necessidades individuais.

Existem muitas vantagens em trabalhar com acessibilidade e usabilidade em produtos digitais e, como consequência disso, o design inclusivo é uma prática comum nos dias de hoje.

Ponderar sobre acessibilidade, usabilidade e inclusão deve ser nosso pensamento padrão, pois permite que cada vez mais pessoas possam ter acesso ao conhecimento, tornando o mundo um lugar melhor.

E aí, você cuida para que seu conteúdo seja facilmente consumido pelos usuários? Deixe sua resposta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar ×
Precisa de ajuda com seu site, sistema ou aplicativo?
Nós ajudamos negócios de todos os tamanhos com design, tecnologia e estratégia digital
Conheça melhor a Homem Máquina