#6 Heurística de usabilidade: reconhecimento do design de interface

Uma das dez principais heurísticas de usabilidade aconselha a promoção do reconhecimento em vez da recuperação no design da interface do usuário. O que são reconhecimento e lembrança e por que o reconhecimento é melhor do que a lembrança? É o que vamos ver no texto a seguir.

Os psicólogos gostam de fazer a distinção entre dois tipos de recuperação de memória: reconhecimento versus recordação. Pense em encontrar uma pessoa na rua. Muitas vezes você pode dizer facilmente se já a viu antes, mas descobrir o nome dela (se a pessoa for conhecida) é muito mais difícil. O primeiro processo é o reconhecimento (você reconhece a pessoa como familiar); a segunda envolve recordação. O reconhecimento se refere à nossa capacidade de “reconhecer” um evento ou informação como sendo familiar, enquanto a lembrança designa a recuperação de detalhes relacionados da memória.

Para entender melhor as diferenças entre reconhecimento e lembrança e por que o reconhecimento é preferível em interfaces de usuário, como afirma Nielsen, precisamos fazer uma pequena excursão em como funciona a memória humana.

Ativação de conteúdo na memória

Frequentemente, os psicólogos pensam na memória como organizada em blocos: unidades básicas interconectadas. Cada pedaço pode ser descrito por sua ativação: uma medida de quão facilmente esse pedaço pode ser recuperado da memória. Por exemplo, seu nome é um pedaço da memória; ele tem uma ativação muito alta – se alguém acordasse você no meio da noite e perguntasse qual era o seu nome, você seria capaz de produzi-lo rapidamente. Por outro lado, se você tivesse que lembrar o nome de seu professor da primeira série, essa resposta provavelmente seria mais difícil de dar: sua ativação é menor.

A ativação de um pedaço é influenciada por três fatores diferentes:

  • Prática: quantas vezes um bloco de memória foi usado no passado;
  • Tempo para retorno: há quanto tempo um bloco foi usado;
  • Contexto: o que está presente no foco de atenção da pessoa.

A tradição comum diz que a prática leva à perfeição. Na verdade, segundo Jakob Nielsen, quanto mais você pratica uma informação, mais provável é que você se lembre dela: a ativação de um bloco depende da quantidade de prática que ele recebeu. Essa é parte da razão pela qual seu nome é muito mais familiar do que o de seu professor da primeira série: ele recebeu muito mais prática.

Mas a prática não é o único fator que influencia a ativação: o quão longe no passado você usou uma bloco, também dita o quão bem você se lembra das informações. Em outras palavras, algo que você usou recentemente tem uma ativação maior do que uma informação que não foi usada por um tempo (como o nome do seu professor da primeira série).

Além da prática e da atualidade, o terceiro fator que afeta a ativação é o contexto. Para entender o que isso significa, precisamos dar um passo para trás e falar sobre associações.

No início desta seção, dissemos que os blocos são unidades de memória interconectadas. A conexão entre dois blocos é chamada de associação. Se eu disser a palavra Paris e pedir que você me diga quais palavras vêm à mente quando a ouve, você pode pensar em França, comida, Torre Eiffel ou Napoleão. Todas essas palavras estão fortemente associadas a Paris, e quando Paris fica no foco das atenções (ou seja, você acabou de ouvir ou ler), ela espalha a ativação para outros blocos associados a ela. O bloco mais ativo em sua memória é aquele selecionado como sua primeira resposta; a próxima parte mais ativa será sua segunda resposta e assim por diante. (Observe que as associações entre os conceitos são altamente pessoais e dependem da experiência anterior: um francês pode ter associações totalmente diferentes com a palavra Paris do que um americano).

O conceito de associação é tremendamente importante na psicologia: ele forma a base do aprendizado e da solução de problemas. Isso nos permite ter uma conversa relevante e nos ajuda a descobrir coisas novas. É o elo entre o presente (o contexto atual em que estamos) e nossa experiência e história anteriores.

Mas como o contexto afeta a recuperação de informações da memória? É como a madeleine, de Proust: quando algo em nosso ambiente atual (o cheiro e o sabor de um biscoito) está fortemente associado a um pedaço em nossa memória, ele espalha a ativação para esse pedaço e o torna mais ativo. O episódio da madeleine da infância de Proust (embora enterrado nas profundezas da memória e tendo uma ativação muito baixa no início) de repente tornou-se mais forte por causa da deixa no contexto atual que espalhou a ativação para ele.

Reconhecimento vs. Recordação

A grande diferença entre reconhecimento e recordação é a quantidade de pistas que podem auxiliar na recuperação da memória; a recordação envolve menos pistas do que o reconhecimento.

O reconhecimento é mais fácil do que recordar porque envolve mais pistas: todas essas pistas espalham a ativação para informações relacionadas na memória, aumentam a ativação da resposta e aumentam a probabilidade de você pegá-la. É a razão pela qual as perguntas de múltipla escolha são mais fáceis do que as perguntas abertas, em que o entrevistado precisa encontrar uma resposta.

Em nossa vida cotidiana, com muita frequência usamos uma combinação de reconhecimento e lembrança para nos ajudar a recuperar informações da memória. Nós começamos com uma informação que é mais fácil de lembrar para restringir nossas escolhas, então examinamos as escolhas resultantes uma por uma e reconhecemos a relevante.

Um exemplo é ir a um site lembrando de seu nome e digitando-o na barra de endereço do navegador. Digamos que você queira ir ao nosso site: se você estiver aqui muito, deve se lembrar de qual é o endereço dele e chegue aqui de forma rápida e fácil. Mas muitas pessoas só conseguiriam se lembrar de alguns termos que associam ao site, como pode acontecer com maior frequência.

A pesquisa exige que os usuários gerem termos de consulta do zero – o que a maioria das pessoas faz mal – mas a partir de então os usuários podem confiar no reconhecimento ao usar os resultados da pesquisa. Esta é uma das razões pelas quais os motores de busca se tornaram uma ferramenta essencial para usar a web. As sugestões de pesquisa são um grande avanço na usabilidade da pesquisa porque transformam parcialmente a tarefa de geração de consulta de uma de recuperação para uma de reconhecimento.

Reconhecimento em interfaces de usuário

O exemplo clássico de reconhecimento em uma interface é o login. Ao fazer login em um site, você deve se lembrar de um nome de usuário (ou e-mail) e de uma senha. Você recebe poucas dicas para ajudá-lo com essa recuperação de memória. Algumas pessoas facilitam para si mesmas usando as mesmas credenciais em qualquer lugar na web. Outros criam uma senha relacionada ao site (por exemplo, “amazonpassword” para Amazon.com ou “buyshoes” em Netshoes.com) para que possam aumentar a capacidade de lembrar, tornando o site uma sugestão mais forte. E muitos outros simplesmente mantêm suas senhas em algum lugar do computador ou em um pedaço de papel.

Reconhecimento em Interfaces

Um sistema de menu é o exemplo mais clássico de uma interface de usuário baseada em reconhecimento: o computador mostra os comandos disponíveis e você reconhece o que deseja. Digamos, por exemplo, que você está trabalhando com um processador de texto e deseja traçar uma linha em uma frase para indicar que ela não é mais válida. Antes do advento das interfaces gráficas com o usuário, você teria que lembrar o nome desse recurso de formatação raramente usado. Uma tarefa difícil e sujeita a erros. Agora, no entanto, você olha para o menu de opções de formatação e reconhece facilmente o termo tachado como sendo o desejado.

Promova o reconhecimento nas interfaces do usuário

Como você promove o reconhecimento de uma interface? Tornando as informações e funções de interface visíveis e facilmente acessíveis. Um aplicativo ou site geralmente tem dois componentes:

  • O cromo ou a interface: ou seja, todos os botões, navegação e outros elementos que existem para ajudar o usuário a alcançar seu objetivo;
  • O conteúdo: as informações de que o usuário precisa para atingir seu objetivo.

Você pode tornar o conteúdo e a interface fáceis de lembrar; ambos podem se beneficiar de um projeto para reconhecimento em vez de lembrança.

História e conteúdo visitado anteriormente

De acordo com Jakob Nielsen, fornecer acesso às páginas visitadas recentemente e pesquisas realizadas no passado pode ajudar os usuários a retomar as tarefas que deixaram incompletas e que podem ter dificuldade em lembrar. Mecanismos de busca como Google e Bing geralmente ajudam os usuários a refazer suas pesquisas, fornecendo históricos anteriores.

O Bing tem um link para o histórico de pesquisa do usuário. O link ajuda os usuários a lembrarem de pesquisas anteriores

Conclusão

A facilidade com que as informações são recuperadas da memória depende da frequência com que a encontramos, da data de uso e do quanto elas estão relacionadas ao contexto atual. Contextos mais ricos (como aqueles presentes quando usamos reconhecimento em vez de recordação) tornam a recuperação da memória mais fácil. As interfaces que promovem o reconhecimento fornecem aos usuários uma ajuda extra para lembrar informações, seja sobre tarefas e itens que eles já viram antes ou sobre a funcionalidade da interface.

Tradução livre do artigo publicado orginalmente no Nielsen Norman Group. Clique aqui para acessar a publicação original.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar ×
Precisa de ajuda com seu site, sistema ou aplicativo?
Nós ajudamos negócios de todos os tamanhos com design, tecnologia e estratégia digital
Conheça melhor a Homem Máquina